Sobre

Esta é a página do laboratório do Dr. Carlos Hotta, do Departamento de Bioquímica, Instituto de Química, Universidade de São Paulo.

Search
Powered by Squarespace
Sobre o blog

Quando criança, eu sonhava estudar dinossauros. Hoje em dia tenho outros sonhos mas ainda tenho brontossauros no meu jardim. Por Carlos Hotta.

Feed me!

Este é o blog do Laboratório de Fisiologia Molecular de Plantas gerenciado por Carlos Hotta.

Em projetos, temos uma descrição geral dos projetos do laboratório.

Em vagas, temos algumas das oportunidades que estamos oferecendo.

Em publicações, temos o histórico de trabalhos publicados. 

Em contato, temos detalhes de como entrar em contato conosco.

Acompanhe este blog pelo nosso feed

Quinta-feira
Mai052016

Óxido Nítrico regula a atividade da ADP ciclase

Em meu doutorado, meu trabalho principal foi estabelecer se o óxido nítrico (NO) regulava o relógio biológico em plantas. A minha principal descoberta neste projeto foi a de que o relógio biológico era um dos únicos processos fisiológicos na planta que não é regulado por NO! No fim, conseguimos mostrar que cADPR regulava o relógio biológico, em artigo na Science.

Em mamíferos, o NO controla os níveis de cADPR que, por sua vez,  media o aumento da concentração de Ca2+ citoplasmático. A existência desta via de sinalização ainda não está clara, uma vez que não há ortólogos aparentes de proteínas desta via em plantas. Em artigo recém-publicado pelo grupo do Dr. Alex Webb, mostramos que o NO é capaz de regular a atividade de uma ADP-ribosil ciclase, enzima que produz cADPR.

Este artigo contém dados obtidos em 2003, no início do meu doutorado.

Artigo

NO-mediated [Ca2+]cyt increases depend on ADP-ribosyl cyclase activity in Arabidopsis. Abdul-Awal SM, Hotta CT, Dodd AN, Davey MP, Smith AG, Webb AA. Plant Physiol. 2016 Mar 1. pii: pp.01965.2015.

Quinta-feira
Mai052016

Fatores de transcrição associados à parede celular de cana-de-açúcar identificados

Um artigo recente do laboratória da Dra. Glaucia Souza, no qual colaborei, foi publicado na Plant Molecular Biology, com direito à capa.

O Dr. Sávio Ferreira utilizou ferramentas de anatomia, fisiologia e biologia molecular para identificar 18 fatores de transcrição asssociados à biossíntese de parede celular em cana-de-açúcar. Os resultados deste artigo abrem novas vias para o melhoramento da cana-de-açúcar volatda à produção de bioenergia.

O nosso laboratório ajudou o Dr. Sávio Ferreira a montar as redes e co-expressão que permitiram a identificação detes fatores de transcrição.

A revista FAPESP fez uma boa reportagem com os detalhes.

 Artigo

Co-expression network analysis reveals transcription factors associated to cell wall biosynthesis in sugarcane. Ferreira SS, Hotta CT, Poelking VG, Leite DC, Buckeridge MS, Loureiro ME, Barbosa MH, Carneiro MS, Souza GM. Plant Mol Biol. 2016 May;91(1-2):15-35. doi: 10.1007/s11103-016-0434-2.

Segunda-feira
Fev092015

Entrevista para o Dragões de Garagem

 

Um tempão atrás fui entrevistado pelo podcast Dragões de Garagem (só decidi colocar agora porque só agora tive coragem de ouví-lo inteiro). Luciano Queiroz e Lucas Camargos, junto com o resto da equipe, sempre fazem um ótimo trabalho! Quem tiver curiosidade de ouvir um pouco sobre a minha história e sobre minhas ideias sobre Ciências, fica a dica.

Quarta-feira
Jun182014

Projeto de intercâmbio com Cambridge aprovado pela FAPESP

  
A FAPESP acabou de aprovar um projeto de intercâmbio do nosso grupo com o grupo do Dr. Alex Webb (University of Cambridge). O Dr. Webb foi meu orientador de doutorado entre 2003 e 2007. O projeto será sobre sinalização por açúcar e pelo relógio biológico em gramíneas e prevê intercâmbio entre os grupos nos próximos 2 anos, o que abrirá muitas oportunidades de colaboração.
Segunda-feira
Mar312014

Ajudem estudantes a ir a uma competição de Biologia Sintética II

Dois anos atrás fomos atrás de crowdfunding para financiar a ida de alunos da UNSP-UNESP para uma competição regional de Biologia Sintética em Bogotá. Nós fomos bem sucedidos e a equipe ganhou uma belíssima medalha de prata no evento.

Agora é a vez de tentar ajudar uma nova geração de aprendizes de cientistas: o time, que agora envolve a USP, UFSCar e UNESP, abriu uma vakinha! O sistema é bem simples, não exige cadastro e aceita pagamentos por boleto e por cartão de crédito.Eles vão tentar ir à edição de 2014 do iGEM, com a vantagem de que a edição deste ano é comemorativa e será ginourmous, TODOS os inscritos irão diretamente à fase mundial!

A equipe deste ano vai tentar desenhar sensores de doenças renais, um problema bastante relevante. Como o iGEM tem moldes de competição, é sempre complicado pedir dinheiro para órgãos de fomentos e para as universidades, apesar deles sempre ajudarem de alguma forma.